Pregação em Tessalônica

 



Autor: John Nascimento



Depois de Passar por Anfípole e por Apolónia, Paulo chegou a Tessalónica :

- “Segundo o seu costume, Paulo foi lá procura-los e, durante três sábados, discutiu com eles a partir das esrituras”.(Act.17,2).

Há aqui um certo paralelismo com o que Jesus fazia em Nazaré :

- “Segundo o Seu costume, entrou em dia de sábado na sinagoga e levantou-se para ler”.(Lc.4,16).

Nas viagens, chegavam às cidades e ensinavam nas sinagogas aos sábados, “segundo o seu costume”.

Jesus, tomando as Escrituras anunciando o Messias falavam a respeito de Si mesmo.

Paulo, dá o significado de duas partes da Escritura, segundo a qual era suposto que o Messias havia de sofrer e, depois de morto havia de ressuscitar, provando assim que Jesus era o Messias.

Em todo o Novo Testamento só o Evangelho de Lucas e os Actos dos Apóstolos dão a prova de que Jesus é o Cristo.

Habitualmente o Novo Testamento verdadeiramente afirma que Jesus deu cumprimento às profecias ou que Cristo que morreu pelos nossos pecados, ressuscitou ao terceiro dia.

O argumento de Lucas é o de que era suposto que Cristo havia de morrer e ressuscitar de entre os mortos.

E em conclusão, afirma que Jesus morreu e ressuscitou, portanto Jesus era o Cristo ou Messias.

Lucas está a usar uma persuasão grega, segundo a sua cultura, não apenas para dizer, mas também para provar que Jesus é o Cristo. Normalmente estas afirmações constituem um argumento constante na apologética cristã, que é uma explicação razoável para a fé cristã contra toda a oposição e, portanto Lucas não tem medo de usar esta argumentação para defender a sua fé.

Os resultados desta argumenação são vários e assim, alguns dos ouvintes de Paulo ficam persuadidos e muitos dos tementes a Deus embora gregos incircuncisos bem como algumas mulheres influents, juntam-se aos judeus que Paulo já persuadiu. Portanto, as explicações de Lucas constituem também para Paulo, um argumento geral para a sua missão. Só os judeus invejosos é que não gostaram e voltaram-se contra Paulo como já o tinham feito antes :

- “A presence da multidão encheu os judeus de inveja, e responderam com blasfémias ao que Paulo dizia”.(Act.13,45).

Tal como o irmão mais velho do filho pródigo se revoltou contra o irmão pecador, porque sempre tinha sido fiel a seu pai, assim os judeus, que sempre se julgaram fiéis a Deus, se revoltam contra os pagãos convertidos, porque os consideravam como sem Deus e sem moralidade, e voltaram a promover uma perseguição :

- “Mas os judeus, enchendo-se de inveja, aliciaram alguns indivíduos da escória do povo, provocando ajuntamentos e espalharam a agitação pela cidade. Assaltaram a casa de Jasão à procura deles para os levarem à assembleia do povo”.(Act.17,5).

É que Jasão hospedava Paulo e Silas. Paulo e Silas partiram de noite para a Bereia, uma cidade a 65 km. de Tessalónica, onde foram também anunciar a palava de Deus,, o que provocou novas agitações :

- “Mas, quando os judeus de Tessalónica souberam que Paulo também anunciava a palavra de Deus em Bereia, foram lá provocar a agitação e a discórdia entre o povo”.(Act.17,13).

Mas os judeus de Bereia eram mais compreensivos e aceitaram bem Paulo e estudavam as Ecsrituras. Diariamente, para se informarem melhor. A carta que Paulo escreveu aos Tessalonicenses confirma que a igreja deles era capaz de se manter fiel apesar dos problemas.

Outra evidência dos Actos é a de que a hostilidade dos judeus era tão profunda que eles eram capazes de seguir Paulo em longas distâncias só para fazerem provocações nas cidades para onde Paulo se dirigia.

E foi assim que os irmão de Bereia aconselharam Paulo a partir, ficando lá apenas Silas e Timóteo a dirigir a igreja até que Paulo voltasse.

Entretanto Paulo foi para Atenas

Postar um comentário

Deixe seu Comentário: (0)

Postagem Anterior Próxima Postagem